Vício em internet

Vício em internet

Autor: Palestrante Ronaldo Lemos

Poucos artigos sérios usam a palavra “vício” para falar de tecnologia. É comum ver eufemismos como “compulsão” ou “uso exagerado”. Vício é palavra ainda rara. Ou ao menos era. Na edição de janeiro de 2015, a revista “Wired” (influente publicação sobre tecnologia) não hesitou em usar a palavra “viciante” (“addictive”), da seguinte forma: “Facebook, Twitter, Instagram, ‘World of Warcraft’, ‘Angry Birds’. Os produtos tecnológicos de maior sucesso têm uma coisa em comum: eles são viciantes”.

O texto comenta a obra do consultor Nir Eyal, especializado em aconselhar empresas e designers a tornarem seus produtos mais viciantes. Eyal é autor do livro “Hooked: How to Build Habit-Forming Products” (fisgado: como construir produtos que formam hábitos) e roda o mundo auxiliando a “fisgar” usuários e não soltá-los mais. Ele gosta de descrever sua área como “engenharia de comportamento”, profissão que não faria feio nos livros de ficção científica de William Gibson ou Philip K. Dick.

Em seu livro, Eyal cria um sistema a partir de autores polêmicos como B. Frederic Skinner, inventor da “caixa de Skinner”. Nela é colocado um pombo que, para se alimentar, precisa puxar uma alavanca. Skinner demonstrou que, se a comida aparece todas as vezes em que o pombo aciona a alavanca, o bicho se torna preguiçoso e apenas a puxa quando sente fome.

Já se a comida aparecer aleatoriamente, o pombo passa a acionar a alavanca incessantemente, desenvolvendo uma compulsão por ela. Skinner demonstrou que recompensas esporádicas ligadas a uma ação podem gerar compulsão por repetir a ação (algo visível em cassinos ou muitos sites na rede).

Em que lado

Aproveitando-se desses modelos, Eyal foi ainda além. Ele explica a dinâmica da criação do vício com quatro elementos: gatilho, ação, recompensa esporádica, e investimento. O gatilho são nossos confortos e desconfortos inevitáveis ao longo do dia. Por exemplo, momentos em que sentimos tédio, solidão ou ansiedade. Ao passar por um deles, buscamos algo que possa nos distrair.

Daí vem a ação. Por exemplo, tirar o celular do bolso e abrir um aplicativo como o Instagram. Ao fazer isso, a recompensa é incerta. Podemos achar uma foto interessante ou não. Uma vez que esse comportamento é associado ao gatilho, o vício se forma. Quando a pessoa se sentir desconfortável novamente, terá vontade de abrir o Instagram.

A última fase do processo é o investimento. Ele acontece quando a pessoa passa a trabalhar para o ciclo. Por exemplo, passa a postar fotos suas no Instagram, pois sabe que isso irá gerar comentários e likes. Nesse momento a pessoa passa a ter incentivos adicionais para voltar frequentemente ao aplicativo para conferir, e o ciclo recomeça.

Muitas pessoas ficarão incomodadas com o trabalho de Eyal. Outras vão sair correndo para comprar seu livro. O fato é que sua obra nos provoca a pensar de que lado da caixa de Skinner estamos neste exato momento.

Fonte: http://observatoriodaimprensa.com.br/e-noticias/_ed837_vicio_em_internet

RONALDO LEMOS
Advogado, Professor e Palestrante