Ser Ageless

Ser Ageless

Autora: Palestrante Betth Ripolli

“Tá” aí algo que pega. E como pega! A idade! Ela vem, inexoravelmente!

Percebe-se que tanto o homem como a mulher (imagino que mais as mulheres do que os homens), quando vão se aproximando dos quarenta hummmm, dá aquela sensação, ihhh!!!, acho que estou ficando velha(o).

Sim ou não? Vamos ser sinceros.

Se você ainda não tem, deve imaginar como será chegar a eles.

Se você já os tem, pode estar pensando, aiiii, já passei dos quarenta. E pode até começar a omitir a idade. Confere?

Quando eu era criança e minha mãe querida tinha quarenta anos, realmente, cá entre nós, eu já a achava, não uma velhinha, claro, mas uma senhora. Com sessenta, então, aí sim, de fato… velha.

A boa, a excelente notícia, que todos sabemos, é que o mundo mudou. E como!!! O tempo não para.

Somos levados a nos atualizar nessa era da informação, constantemente, para não ficarmos para trás.

E, claro, também o olhar para a idade se transformou. A mulher de sessenta hoje pode estar tão bem cuidada, tão bem-amada (por si mesma, notem, não falei por alguém, estamos aprendendo a nos amar…) que naturalmente apresenta traços e comportamentos da mulher de quarenta.

Aliás, vamos combinar, que a mulher de quarenta anos, é show! E a de sessenta, mais ainda, quando se faz plena, equilibrada, sábia, cuidada, mais show ainda!

Somos, (me incluo) protagonistas de uma das maiores mudanças de comportamento desses novos tempos!

Hoje, percebam, que agências de modelos no mundo todo, buscam mulheres maduras para grande parte de seus comerciais. É a mulher que decide a compra em casa, a que sabe comprar, a que compra o que quer, a que tem dinheiro para comprar. É a que consome.

São essas mulheres chamadas de geração “ageless” (sem idade) sabiam? Nem velhos nem jovens, somos ageless!

Huhuuuu! Percebam que ganho! Que patamar!

Hoje os cinquenta são os novos trinta. Os sessenta os novos quarenta e assim vai.

Vou confessar… cruzo com cada “pedaço de mal caminho” com sessentinha (como dizia meu pai)! Tanto homem como mulher. Sarados, cuidados, perfumados, ativos!

Sabem quando um SER envelhece de fato?

Quando vira SOPPPP!

Quando deixa de ter Sonhos, Objetivos, Propostas, Propósitos, Projetos, Planos, como queiram chamar.

E aí vai minando a vontade de viver, não tem o para quê se levantar da cama de manhã.

Para se ter esse ímpeto de acordar, se arrumar, se valorizar, percebam que é preciso ter algo a fazer.

Quando queremos ir a algum lugar, não temos que saber que lugar é esse, por onde devemos ir, traçar o trajeto e tomar a atitude de ir?

Pois bem, os atuais ageless, se sentem sempre permeados de um objetivo que lhes dá ânimo para colocar o despertador cedinho e ir ao encontro do que se programaram para fazer. Seja trabalho, lazer, ginástica, encontros amorosos (sim de manhã, qual o problema? rsss), cursos, viagens…

A juventude é interna bem como a velhice. Conheço jovens de mais de setenta anos, que têm libido, que saem para dançar, que jogam cartas, boliche, tênis, viajam para lá e para cá, vão para passeata na Paulista.

Se engajam, vestem roupas coloridas (minha mãe falava, que quem tem “certa” idade não pode usar cores vivas… ai, ai, ai…quem disse isso para ela???), falam bobagens, riem pra caramba, são otimistas, têm turmas de amigos em várias tribos diferentes, vichi, fazem de tudo. Quem não tem uma amiga assim? E até transam. Mais, frequentam clube do swing AAA. Pode crer! Fiquei sabendo recentemente, que os ageless estão “causando” em festas privês!

A idade é um número. O tempo inexorável.

Ambos iguais para todos. Branco, preto, negro, índio, pobre rico, empregado ou desempregado, alegre ou triste.

Não existe nada no mundo que transforme o passar da idade e o tempo diferente para cada um. Para todos é igual, inquestionavelmente. A diferença é como você vai encarar sua idade e seu tempo.

Deixo aqui uma provocação.

Pergunto, você, homem ou mulher que me lê (aliás – agradecida! Rssss)

Como você se sente com relação à sua idade? Quais são os seus planos para esse mês? Este ano? Os próximos cinco? Como se vê daqui a dez anos?

Dependendo de sua resposta, (pode me enviar no FB, Insta ou YouTube @betthripolli que responderei pessoalmente) poderemos concluir juntos, se você é um velho de dezoito, vinte, trinta ou um jovem de cinquenta!

Pensou nisso? Se importou? Se desconfortou? Já é um bom indício de que tem interesse em se atualizar e mudar comportamentos! Obaaa!

#ATITUDEÉTUDO!
(Nome de meu livro a ser lançado em novembro)

BETTH RIPOLLI
Apresentadora, Compositora, Empresária Musical, Escritora e Palestrante