Por que os brasileiros têm tanta dificuldade em se adaptar às necessidades do mercado externo?

Por que os brasileiros têm tanta dificuldade em se adaptar às necessidades do mercado externo?

Autora: Palestrante Renata Dunck

Com mais de 20 anos de profissão e realizando um trabalho voltado para empresas que querem ser internacionais, enxerguei os mais diversos tipos de problema no nosso empresariado, mas que facilmente explicam o vergonhoso percentual de atuação do Brasil no mercado externo.

Sim, estamos falando de menos de 2%! De tudo o que é comercializado do mundo, menos de 2% vem do Brasil.

Mas por que, países menores e com menos indústrias conseguem atingir patamares mais significantes?

A explicação não está no valor do produto, nem mesmo na qualidade. Está na atitude.

Os brasileiros estão acostumados a enfrentar crises financeiras a todo momento. Nunca se vivenciou décadas consecutivas sem momentos de abalo econômico. Pelo lado positivo, isso resultou em um povo muito dinâmico e que não se entrega fácil. Pelo lado negativo, uma população que não entende de planejamento, que não tem paciência para aguardar um resultado que envolve intercâmbio de cultura, perspicácia na negociação, adequação de produtos e muitas outras vertentes que leva uma empresa de fato a ser internacional e ganhar o mundo.

Esse talvez seja um dos motivos de praticamente só exportarmos commodities…ou ainda, de somente empresas grandes estarem presentes nos mais diversos continentes.

Mas, para toda regra existe exceção. O fato do Brasil como um todo ainda ser pouco representativo no âmbito global, algumas empresas já nascem com a vontade de ganhar o mundo. A nova geração de empresários, além de terem acesso à todo tipo de informação de maneira muito rápida, são apaixonados por viagens e por consequência, passam a entender melhor da cultura de outros povos e com isso, não trazem dentro de si, o receio de ultrapassar as fronteiras.

Planejar pode não estar intrínseco na nossa cultura tão de improviso, mas certamente, temos muitos bons motivos para pensar em mudar de ideia e recuperar o tempo perdido. Dólar alto, acordos comerciais sendo criados a todo momento, acesso às instituições financeiras internacionais, com linhas de crédito a juros muito baixos, melhora na produção, fortificação da marca, entre muitos outros benefícios.

Será que a nova geração de empresários vai mudar esse patamar tão baixo de atuação no comércio internacional? Nossa criatividade, nossos esforços e nosso jeito alegre de ser tem tudo para ganhar o mundo!

RENATA DUNCK
Especialista em Comércio Exterior e Palestrante