Não Confio em Ninguém com menos de 90

Não Confio em Ninguém com menos de 90

Autora: Palestrante Mirian Goldenberg

Quando pensamos em ética, pensamos na vida. Em como vivê-la. Mas de uma maneira específica: em como vivê-la bem.
Por isso, o objetivo último da ética é a felicidade. Porque a melhor vida possível só pode ser a vida feliz. E nós nunca chegaremos nela sem antes nos perguntarmos qual ela é e quais os caminhos que nos levarão a ela.

Nossa principal característica, enquanto humanos, é poder pensar para viver. Ao contato dos animais, nossa vida não é determinada pelos nossos instintos. Isso significa que cada passo dado é um passo pensado, calculado, avaliado.

Mas, em que consiste esse pensamento, esta avaliação?

A cada segundo, 360 graus de possibilidades. Infinitos caminhos se apresentam diante de nós. Mas, se sabemos que devemos escolher, como o fazemos?

Nós comparamos. Cada caminho é uma história, tem um significado e, sobretudo, é a consequência da adoção de um valor.

E é a partir daí que escolhemos. Nós aprendemos, cultivamos e discutimos valores. As peças fundamentais de nosso edifício moral. A cada instante, escolheremos os caminhos que tenham mais afinidade com os valores que elegermos como fundamentais para nossa conduta, valores que apontarão quais escolhas faremos para viver.

E isto é ética. A atividade mental de aprender, hierarquizar e aplicar valores na nossa vida, com o objetivo de que ela seja a melhor possível.

A definição é simples assim. Mas a prática é bem mais complexa, porque os valores são contraditórios e a vida é extremamente complexa. Necessidade constante, portanto, de reflexão, de aprimoramento e de autoconhecimento.

Fonte: https://www.fsavi.com.br/l/nao-confio-em-ninguem-com-meno-de-90-miriam-goldenberg

MIRIAN GOLDENBERG
Antropóloga, Escritora, Professora e Palestrante