Espiritualidade Significativa

Espiritualidade Significativa

Autor: Palestrante Roberto Böck

Olhemos o caos político, religioso, social, moral e econômico de nosso país. O povo está dividido e polarizado. Brancos, negros, índios, homens, mulheres, machistas, feministas, homossexuais, heterossexuais, cristãos, ateus, conservadores, progressistas, nordestinos, sulistas, esquerda e direita, etc.

O que nos tornou tão insensíveis e intolerantes com quem “é” e “pensa” diferente? Como perdemos a capacidade de ver a “imagem e semelhança de Deus” (Gn 1.26) no ser humano?

Nascer, crescer, desenvolver-se, reproduzir, morrer: a existência humana se resume apenas neste ciclo?

Qual é o sentido e o propósito da vida? Qual o significado último da existência? De onde viemos? Por que estamos aqui? Para onde vamos?

Que respostas damos a nós mesmos sobre estas questões espirituais e existenciais? Como damos a “razão da esperança” (1Pe 3.15) que temos a esta geração tão confusa e caótica?

A espiritualidade significativa consiste na intimidade, familiaridade, amizade com o Transcendente e Imanente Deus. Tal “intimidade” necessita apenas de simplicidade, solitude, quietude, humildade e renúncia ao “eu”. O profeta já alertava: “Na conversão e no descanso está a salvação de vocês; na tranquilidade e na confiança reside a força de vocês” (Is 30.15).

Uma espiritualidade significativa, viva e saudável sempre irá vincular o “amar a Deus” ao “amar o próximo” (Lc 10.27). Não podemos amar a Deus, a quem não vemos, se não amarmos ao próximo, a quem vemos, com quem nos conectamos, interagimos, convivemos e nos relacionamos (1Jo 4.20-21).

O amar não é um sentimento, mas uma escolha, uma decisão de fazer o melhor para e pelo outro, que se manifesta no alegrar-se com as suas conquistas, no acolhê-lo, animá-lo, encorajá-lo, consolá-lo e considerá-lo como um ser digno de honra, valor e respeito, no servi-lo e ajudá-lo a levar suas cargas, no sensibilizar-se para perdoá-lo e não julgá-lo em suas falhas e fracassos, etc. Tudo o que queremos que o outro nos faça, já dizia Jesus, façamos também a ele (Mt 7.12).

A espiritualidade significativa, bíblica, quando compreendida e vivenciada corretamente, gera transformação em todas as áreas da nossa vida, proporcionando respostas às questões existenciais, senso de direção e propósito, alegria de viver e superação da falta de sentido e propósito vivenciados em nosso país na atualidade.

ROBERTO BÖCK
Palestrante