Criança com Farda

Criança com Farda

Autor: Palestrante Diógenes Lucca

A foto publicada pela Polícia Militar de uma criança usando farda, portando uma tonfa e um par de algemas em sua página oficial, gerou muita polêmica e aproximou mais uma vez a visão que ainda vivemos em um contexto de raciocínio binário — que quer dizer: ou é bom ou é mau; ou é sim ou é não; se não for a favor é contra. Em geral, pessoas assim, gostam de usar as famosas expressões: se não está comigo, está contra mim; se não pensa igual a mim, está errado. Defendo a prática de que devemos sempre valorizar a importância de “pensar com a cabeça do outro”.

É louvável o esforço do setor de Comunicação Social da Polícia Militar em utilizar as redes sociais para divulgar uma agenda positiva. São iniciativas para gerar mais confiabilidade na Polícia e, sobretudo, uma maior aproximação com a comunidade.

Boa parte das ações policiais é boa, algumas alcançam a excelência, mas não é prudente desconsiderar que uma pequena parcela de maus policiais causa um prejuízo enorme à imagem das Instituições. Isso faz com que uma parte significativa da sociedade civil tenha reservas e, no limite, algumas pessoas verdadeiramente não sejam simpatizantes da instituição. Talvez seja esse o cuidado a ser observado em novas iniciativas futuras. É imperativo mapear essa parcela da população, identificando e tratando as causas que geram essa desconfiança e, sobretudo avaliar o impacto que qualquer iniciativa possa nelas produzir.

Para os policiais e simpatizantes que conhecem a fundo a PMESP — seus conceitos, tradições e modos de pensar — a foto da criança fardada segurando uma algema e uma tonfa é plenamente compreensível e justificável. A farda é um símbolo de ordem, civismo e coragem, a tonfa um instrumento de defesa que faz parte do dia-a-dia e as algemas são um utensílio indispensável a qualquer policial. Nessa linha de raciocínio, a criança da foto está apenas à caráter na fantasia infantil de ser um policial de verdade.

Crianças tendem a admirar os seus pais e é comum querer imitar as suas profissões, daí o motivo pelo qual o mercado oferece objetos e equipamentos infantis de médicos, pilotos, super-heróis, piratas e muitas outras fantasias. Da mesma maneira que outros pais orgulhosos de sua profissão podem tirar fotos de seus filhos pequenos fantasiados, pais policiais orgulhosos de sua profissão querem poder fazer o mesmo.

O descuido, digamos assim, é que dentro de nossas casas todos sabemos o que a farda, a algema e a tonfa significam. Parte da sociedade civil não sabe.

Para algumas pessoas a imagem de um instrumento que se assemelha a um cassetete era, de fato, um cassetete, um ícone da violência e da repressão policial, sobretudo nas manifestações. O mesmo entendimento para essas pessoas em relação às algemas, símbolo de autoritarismo e submissão.

É compreensível a contrariedade de alguns policiais com as críticas em relação à postagem da foto. Todos eles conhecem o significado da farda e sabem que a tonfa que foi idealizada para ajudar nas imobilizações e defesa do policial contra ataques, é uma evolução do antigo cassetete que só servia para movimentos ofensivos. Assim como as algemas servem para imobilizar pessoas e garantir a segurança do policial no transporte de detidos.

É fácil perceber que aos olhos de algumas pessoas a imagem recebida foi a de uma criança sendo treinada desde cedo nas engrenagens da violência e da repressão.

Eu realmente acredito que os responsáveis pela campanha pretendiam usar a imagem pura de uma criança para mostrar as boas intenções dos policiais e o orgulho que têm de serem parte da Instituição. O descuido ocorreu pelo fato de que a campanha, elaborada para melhorar a imagem da PMESP diante da sociedade, foi feita única e exclusivamente do ponto de vista dos policiais e dos simpatizantes. Esqueceu-se de avaliar como os “não simpatizantes” poderiam reagir.

Melhor seria ter postado uma foto sem objetos que gerassem polêmica e apenas uma criança fardada como a que eu faço agora com a minha própria filha.

Espero que esse incidente possa ser superado em honra aos bons policiais. Torço também para que a todas as polícias brasileiras dirijam sua atenção para aqueles que carecem de melhor compreensão sobre nossas virtudes e sobre nossas dificuldades.

Alcançando um melhor equilíbrio, estaremos mais perto da confiabilidade que tanto desejamos possuir.

Fonte: https://medium.com/@ComandanteLucca/crianca-com-farda-por-diogenes-lucca-ded06f9459ce

DIÓGENES LUCCA
Escritor, Professor e Palestrante